Conheça os tipos mais comuns de rugas e faça um autodiagnóstico

Não adianta fugir: até minha filha, de 4 anos, faz algumas ruguinhas quando ri ou repete expressões faciais comuns. Imagina como está o rosto da mãe, 40 anos mais velha? Ora, com marcas da idade, claro!

Marcas de expressão não têm idade. Localizadas na testa, na altura entre as sobrancelhas e ao redor dos olhos, são rugas formadas por marcas de expressão que surgem por quem utiliza muito a expressão facial para se comunicar.

Outras, como já comentamos, surgem com as mudanças na pele com o passar dos anos.

 

Com o tempo é inevitável que as rugas apareçam. Esse processo é natural e faz parte do envelhecimento. Podemos tratar, prevenir e cuidar, mas antes de começar um tratamento ou comprar um produto, que tal saber quais são os tipos de rugas?

Rugas Dinâmicas

Causadas pelos movimentos repetitivos dos músculos faciais, aparecem quando rimos, choramos ou ao franzirmos a testa.

Comuns após os 60 anos, as gravitacionais são provocadas pela redução de fibras colágenas e elásticas. Essas rugas surgem juntamente com a flacidez dos músculos, provocando sobras de pele, na maioria dos casos entre o pescoço e o rosto.

As regiões mais afetadas pelas rugas dinâmicas são as sobrancelhas, a testa e os cantos dos olhos.

 

Rugas Estáticas

São aquelas que podem ser vistas mesmo com o rosto em repouso, causadas pelo envelhecimento da pele pela idade, jdevido a diminuição na síntese de colágeno e elastina.

Para simplificar, as rugas estáticas são visíveis mesmo sem contração muscular – são permanentes.

Muitas vezes são causadas pela exposição ao sol, pelo fumo, pela genética, por uma nutrição deficiente ou pelo enrugamento prolongado.

As regiões das bochechas e dos olhos são as mais afetadas pelas rugas estáticas.

Quer entender melhor as diferenças?

O médico dermatologista Lucas Fustinoni explica no vídeo porque a gente deve tratar cedo. E também comenta alguns tratamentos comuns para cada tipo.

😉

 

Rugas Gravitacionais

Causadas pela flacidez da pele e ação da gravidade, por exemplo bigode chinês.

Rugas finas

Surgem após os 30 anos e são mais comuns em quem tem a pele clara. As rugas finas estão diretamente ligadas à perda de colágeno, substância que mantém a tonicidade e resistência da pele. Apesar de superficiais, cuidado, pois a exposição diária aos raios de sol agravam ainda mais as marcas.

Rugas profundas

Acontecem, geralmente, após os 45 anos e são provocadas pelo envelhecimento natural e/ou por agentes externos, como o sol e o cigarro. As rugas profundas são vistas após a perda intensa de colágeno e o afinamento da derme.

 

E como identificar suas rugas?

No vídeo abaixo, a dermatologista Teresa Noviello, autora de um livro sobre o tema, dá dicas para uma auto avaliação:

Sam Shiraishi

Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *